OFERTAS

sábado, 29 de abril de 2017

País vive revanche da batalha do impeachment

O governo se preparou para o pior. Achava que a greve geral e as manifestações contra as reformas teriam proporções extraordinárias. No início da tarde, Michel Temer e seus auxiliares concluíram que o monstro se revelou menos feio do que parecia. Para o Planalto, a greve não foi geral e os protestos foram pontuais. Temer disse que não vai recuar. Nem pode. A essa altura, se o governo sofrer uma derrota em votação de reforma como a da Previdência, o resto do mandato-tampão de Temer será um melancólico epílogo.

O que está acontecendo nesse instante no Brasil é uma revanche da batalha do impeachment. As forças políticas que caíram junto com Dilma Rousseff tentam dar o troco. O palco da guerra é o Congresso. A arma, o asfalto. Tenta-se engatilhar contra Temer a mesma insatisfação que derreteu o mandato de Dilma.

Tão impopular quanto Dilma, Temer dá de ombros para as ruas. Sua preocupação é evitar que os congressistas que traíram Dilma, hoje tão governistas quanto ontem, desliguem o seu governo da tomada, rejeitando suas reformas. O governo admite que ainda não dispõe de votos para aprovar a mexida na Previdência. Para obtê-los, lida com um bloco parlamentar que de longe se parece com um saco de gatos. Mas de perto parece mais um saco de ratos.

Nenhum comentário: